Fotos

170 000 €

Prestação Estimada
CALCULAR

Loja Comercial em Vila do Conde

Vila do Conde, Benguiados

Referência: C0436-00169

Certificado energético:

Local ideal para iniciar o seu novo projeto.
Loja com 83 m2 de área total e armazém com área de 5 m2, casa de banho e montra apelativa.
Fica localizada no início da Avenida, junto à rotunda do MacDonald, EN13, num edifício de referência da zona.
Vila do Conde é uma das povoações mais antigas do norte de Portugal. Artefactos geológicos que datam do Paleolítico foram descobertos em locais nas freguesias de Modivas, Malta e Labruge que datam de 100.000 a 15.000 anos. [3] Em outras freguesias também houve descobertas de implementos e montes que datam da Idade do Bronze e do Neolítico, indicando um período de transição entre as civilizações forjadas e sedimentares. [3]
As suas origens remontam à fundação do território português; o documento escrito mais antigo (953), da condessa Mumadona Dias , refere-se à Villa de Comite , numa carta utilizada para a venda de terras por Flamula Pelagius, ao Mosteiro de Guimarães. [4] Mas as suas origens remontam ao Castro de São João (Monte de São João), e a outros castros da Idade do Ferro , que incluem povoamentos dispersos na Retorta, Bagunte, Ferreiró, Vairão e Labruge. [3] Jerónimo Contador de Argote, no século XVIII, citando referências à cultura do castro, identificou a existência de uma destas estruturas no topo das colinas da Cividade de Bagunte., uma estrutura que ocupa 50 hectares (0,50 km 2 ). [3] Outros castros dentro do município foram principalmente agrícolas, e algumas descobertas de cerâmica ocorreram, embora a maioria tenha sido encontrada em ruínas. [3] Vestígios semelhantes da ocupação romana da região continuam a ser descobertos, e escavações arqueológicas estão em andamento em uma dezena de locais em todo o município. [3]
A origem do topônimo é desconhecida. A maioria dos autores aponta para os contos do século IX da Reconquista , procedentes da Galiza e das Astúrias e ancestrais do referido Flamula, provavelmente ligados à génese do nome. [5]
Mais tarde, o rei D. Dinis de Portugal concedeu a Maria Paes da Ribeira estas propriedades senhoriais (Dinis tinha desde há muito muitos filhos ilegítimos com a nobre). [6]
Em 1318, Afonso Sanches (filho ilegítimo do Rei D. Dinis de Portugal e Aldonça Rodrigues Telha) e Teresa Martins (filha de João Afonso de Menez, Conde de Barcelos , neta de D. Sancho IV de Castela ) e trisneta de Maria Pais da Ribeira, fundou o Mosteiro de Santa Clara . Mais tarde referido como Convento de Santa Clara , a construção do mosteiro desenvolveu-se a partir da má relação entre o rei D. Dinis e a sua esposa, a rainha D. Isabel de Portugal., devido à preferência do rei por seu filho ilegítimo. A rainha refundou, em 1314, um mosteiro abandonado em Coimbra, a que rebatizou de Santa Clara. Isto levou D. Dinis a patrocinar e autorizar Afonso Sanches a construir um mosteiro da mesma invocação na margem direita do rio Ave, onde se situava um antigo forte de colina celta. [7] A pedra angular foi lançada em 1318 e, uma vez concluída, foi depositada nas mãos da Ordem Franciscana , a quem patrocinou ao longo da vida, deixando eventualmente Vila do Conde, suas terras e rendas, na sua posse depois de sua e de sua esposa. mortes. [8] [9] Hoje é o ex-librisde Vila do Conde. O convento passou a ser a sede judicial, com todos os direitos reais na área. Ainda assim, o rei Eduardo começou a contestar esses grandes privilégios durante seu reinado, e o rei João III de Portugal finalmente os retirou em 1537, investindo seu irmão Eduardo com os títulos de senhorio. No casamento de Catarina , sua filha, com João I, 6º Duque de Bragança , o Infante Eduardo passou o título à Casa Real de Bragança . [9] Consequentemente, Vila do Conde teve representação nas Cortes Reais e os seus alcaldes foram nomeados para ducados na Casa Real de Bragança. [9]Mas isso também era responsável pela fraqueza do governo local e pelos altos impostos sobre a maioria das atividades econômicas locais, exceto transporte marítimo e comércio, onde o governo nacional tinha o controle exclusivo. [10]

Detalhes
  • Preço:  170 000 €  
  • Estado: Venda
  • Área bruta:  88 m2
  • Estado: Bom
  • Ano de construção: 2005
  • Certificado energético: C
Divisões
  • Casa de Banho
  • Cave - 5 m2
Caracteristicas
  • Armazém
  • Eletricidade
  • Janelas de Alumínio
  • WC exclusivo
Zona Envolvente
  • Farmácia (10m)
  • Zona Comercial (50m) - MacDonald
  • Metro (150m) - Portas Fronhas
  • Mar (500m)
Prestação Mensal Estimada

170 000 €

Intermediário de crédito
Clique para uma simulação personalizada


Transparência e Determinação, Lda.  AMI: 17961